Nesta Data Não Tão Querida

baner

  Hoje eu vou falar um pouquinho de um espetáculo em que eu faço a operação de luz e som, uma coisa que é importante comentar antes de falar da peça propriamente dita, é que a Cia. “A Filha da Mãe”, é um grupo vindo do interior, assim como eu, e vem trazer seu espetáculo pra São Paulo sem nenhum patrocínio, contando apenas com alguns apoios de restaurantes como O pedaço da pizza, Planeta’s e Cantina Luna di Capri.

  É importante resaltar isso porque demonstra o comprometimento e paixão do grupo com o fazer teatral, pois assumindo os riscos, com recursos próprios, eles não seriam loucos de apresentar um espetáculo sem um mínimo de verdade e genuinidade.

  Não que isso represente algum amadorismo por parte do grupo, pelo contrário Elaine Maturano que faz a filha fez curso no Globe-SP, a mãe Ana Maturano está no exercício do palco a bastante tempo e o diretor Massayuki Yamamoto, tem bastante experiência já tendo trabalhado inclusive com espetáculos mainstream com atores globais.

  Mas vamos a peça: “Nesta Data Não Tão Querida” é um espetáculo denso baseado em um conto de Lygia Fagundes Telles, é curioso que tanto no texto como na vida real trata-se de mãe e filha, o que torna a comunhão entre as atrizes muito boa, o espetáculo já tem um bom tempo de estrada sendo esta a segunda temporada em São Paulo, a anterior foi no Espaço dos Insights.nestadats1 

  O espetáculo está em cartaz no Teatrix  – R. Peixoto Gomide, 1066 – Jardim Paulista – São Paulo – SP. Tel: (11) 3285-0939, sempre aos sábados as 21h30 até 25 de abril – Ingressos à R$30,0o (meia entrada para estudantes, idosos e profissionais da área).

   Bom pra finalizar este artigo eu ofereço minhas sinseras palmas pra estas duas atrizes que com garra e paixão, encaram este desafio de sair da comodidade de uma região onde elas já tem respeito e espaço adquirido e enfrentar este mercado muitas vezes cruel que é São Paulo.

  Agora segue a sinopse do espetáculo: “Nesta Data Não Tão Querida”.

  Drama de Edson Gory, Baseado no conto “A Medalha”, de Lygia Fagundes Telles, conta a história de Veridiana e Adriana, mãe e filha, respectivamente, que moram juntas, mas vivem uma relação marcada por segredos do passado, que as assombram e as impedem de viver plenamente. Para essas duas mulheres sobreviventes, parece não existir uma saída ou um futuro, apenas um dia após o outro.

  O casamento de Adriana é o elemento catalizador para que esses segredos venham à tona, segredos repletos de mágoa, culpa e inesperadamente, amor. Será tarde demais para repara os erros do passado? Redenção é o único desejo destas duas mulheres desesperadas por viver, mas ao mesmo tempo cansadas da vida.

  De Edson Gory, com Elaine Maturano e Ana Maturano, Direção Massayuki Yamamoto.

Ana Maturano e Elaine Maturano

Ana Maturano e Elaine Maturano

Este artigo foi feito por Paulo Carvalho.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: