Archive for agosto \31\UTC 2009

O Último Morto de Zeca Picadinho

31/08/2009

  Zeca Picadinho era homem ruim, desses que já mataram muito, pela sua faca já passaram mais de 50 lombos, e ainda outros tantos, que por meio de tiro, foram prosear com nosso senhor.

  Naquela tarde de domingo, que deveria ter sido de festa, se num fosse a chegada de Zeca, ele já tinha matado toda uma família, com ajuda de mais três comparsas. Trabalho encomendado.

  Mas quando ele tinha acabado de matar a matriarca e se deu por satisfeito é que o menino apareceu.

  Não devia ter nem oito anos, a verdade é que parecia ter bem uns seis, saiu de debaixo da cama, enfurecido e foi encarar o lazarento. Deu-lhe com a cabeça no saco do diabo, que na hora soltou um palavrão agoniado, desses que num se fala em presença de moça.

  Zeca na mesma hora deu um tranco forte e o menino foi ao chão, os olhos carregados de sangue, os comparsas rindo. Sacou o revólver e mirou bem na testa do menino, que num se intimidou e encarou a fera.

  Olhando bem nos olhos do garoto, o bandido vacilou, recolheu a arma e disse: – Esse fica pra melhorar um pouco minha situação quando tiver abraçando o tinhoso.

  Dito isso virou as costas e saiu andando, os outros bandidos sem entender nada foram atrás.

  – Não vai dar problema com o patrão larga o menino?

  – Nada, se ele reclamar eu lhe rasgo logo a barriga que é pra aprender a ter respeito.

  E foram assim, os três, saindo pelo mato.

  Quando já tinha andado uns bons três terço de mundo, o cavalo já dava sinal de cansaço, ele disse pros outros homens: – Agora vai cada um pra um lado, e amanhã, aqui na mesma hora vocês aparecem pra nós fazer o acordo.

  Zeca então, sozinho foi até um fiozinho de água, que passava por ali, pra mó de dar água ao cavalo, aproveitou e lavou o rosto, lá mesmo, quando tava pra por as mãos no frio da água, ouviu um riso.

  Agarrou o facão e olhou pros lados, não viu nada. De repente o riso voltou e dessa vez ele continuo, até que essa voz começou a falar.

  – Adianta lavar nada mizinfim, que sangue de inocente num sai com água corrente. – E tornô a rir.

  Zeca que sempre foi sujeito de num ter medo de nada, nem assombração, não tardo a dizer: – Aparece coisa ruim, que ainda não inventaram bucho que minha faca não corte.

  Nessa hora, meio que por sabe-se lá que mistério, um velho preto surgiu do nada, ali na frente do danado do Zeca, parecia que tinha surgido da fumaça, da mesma espécie de fumaça que saia do cachimbo do velho.

  Aí, num tinha coragem de homem nenhum que agüentasse as pernas, e quando Zeca se deu por gente, foi de bunda pro chão.

  O velho só ria, e encarava o malvado com um olhar de gelar a espinha.

  Num último esforço de valentia, o Zeca se levantou e disse olhando bem pro velho: – Sai da minha frente, seu velho, que hoje já tô coberto de sangue e não me custa nada aumentar mais um na conta.

  Não se sabe qual a feitiçaria do velho, mas acontece que uma baforada de vento, tão forte como nunca se viu, derrubou o homem no chão, como se fosse feito papel. Os olhos do Zeca ficaram como se fosse duas azeitonas recheadas, e ele entendeu que não podia mais mexer nem o mindinho do pé, por mais força que tenta-se.

  – Seu moleque, acha que pode comigo? Não pode não. Eu é que sei se vosmecê vai sair daqui ou não.

  E o velho voltou a rir e cada risada que saia da boca dele parecia mais sinistra que a anterior, se Zeca Picadinho não fosse homem valente já tinha se borrado todo.

  – Hoje chegou a tua hora diabo, hoje tu vai descobrir qual é a sua cor do avesso.

  O Zeca que como já disse é homem de coragem, viu que não tinha outro jeito e tentou negociá com o espírito.

  – Me dê mais uma chance, seu velho, eu ainda não vivi tudo que devo.

  – Não viveu? Se forem contar todos os anos que tirou dos outros, já dava pra umas boas três vidas inteiras, de sujeito que morre com a cabeleira branca e a coluna entortada.

  – Mas eu ainda posso me endireitar, me dê mais uma chance.

  – E isso lá se endireita? Fruta bichada não tem jeito não, não tem mais serventia, só serve pra apodrecer as outras. Mas ocê me convenceu, vou te dar uma chance, se ocê me mostra uma só coisa boa que tenha feito. É isso que vai julgar o teu destino.

  – Ará, uma coisa boa? – Mas o problema era que Zeca era ruim mesmo e não conseguia se lembrar de nada, nem uma mísera boa-açãozinha que tivesse feito, se lembrou de menino, que uma vez deu uma fruta pra um moleque pobre que trabalhava pro seu pai, tentou se fiar nesse acontecimento.

  – Não venha me enganar seu peste, você só deu essa fruta porque não gostava, e depois fez o menino de escravo, sempre lembrando pro coitado da sua maldita fruta, e ele tinha que fazer miséria, pra você mentir que era amigo do pobre, e depois rachou a cabeça do infeliz na parede, quando ele não quis te obedecer. Se quiser sair daqui tem que pensar em coisa boa feita sem interesse e malvadeza.

  A situação tava mesmo complicada pro Zeca, que já não conseguia se lembrar de nada de bom que houvesse feito, ainda mais sem interesse malvado por traz. Tentou então apelar mais uma vez.

  – Mas se não fiz nada de bom, não é culpa minha, que nessa vida só vi desgraça.

  – Desgraça é vida boa pros peão daqui, se eles não viram peste que nem você, porque isso deveria valer alguma coisa nessa conta?

  – Ora, porque eu vi minha mãe morrer na minha frente, por conta de um traste do diabo qualquer, por que você não foi atrás daquele? Eu mesmo tive que sangrar aquele desgraçado com a minha faca.

  – Mas além de se vingar do traste que matou sua mãe, você também se vingou matando a mãe de um monte criança, pobre, inocente.

  – Mas espere, eu lembrei de uma coisa boa que vai servi pra minha conta.

  – Diga.

  – Eu poupei da morte um molecote, hoje mesmo.

  – E essa é a melhor boa-ação que vosmecê tem pra apresentar?

  – É, é essa.

  – Então que você seja julgada por ela.

  Então da mesma forma que surgiu, o velho preto desapareceu no ar, ficando só uma fumaça que se espalhou por todo canto. Então o Zeca viu um corpo se aproximando, conforme vinha surgindo ele percebeu que o sujeito tinha exatamente a sua altura, e então apareceu, um jovem, devia ter uns dezenove anos. O Zeca tentou sacar o revólver e atirar no rapaz, mas a arma se esgoelou e não cuspiu a bala. Já que não tinha jeito com a pistola, o negócio era mesmo no facão.

  O sujeito vendo o Zeca, já sacou também a sua faca e antes de se atracar com ele olho bem nos olhos e disse:

  – É você seu diabo, é você que eu tenho procurado todos esses anos, foi você que matou minha mãe e me deixou lá como se fosse um monte de bosta.

  – Eu não sei quem é você, mas se tivesse visto, tinha morrido como ela, só um covarde pra se esconder e deixar a mãe morrer.

  – Cala a boca seu chifrudo, eu não me escondi, te acertei foi uma cabeçada nas bolas, você é que não foi homem de matar uma criança.

  Foi só então que o Zeca percebeu, que o rapaz que tava ali era justamente o menino que ele tinha poupado, crescido. Como era possível que tal feito se fizesse ele não sabia, mas que era aquele o moleque, era.

  Não teve mais papo, os dois se atracaram e a luta tava bem disputada, até que Zeca num golpe de sorte derrubou o jovem no chão.

  Só que quando ele levantou o braço pra dar o golpe final, é que ele cruzou os olhos com o menino, e lembrou bem do exato instante, em que ele mesmo tinha matado o desgraçado que havia matado a sua mãe, e isso fez com que o Zeca endurece-se que nem tronco de goiabeira, travado, sem ter a noção, de que o tempo passava e que o menino reagia.

  Quando deu por si o rapaz tinha fincado a sua faca no bucho do Zeca, que só fez foi olhar o menino com cara de espantado, enquanto as vistas iam escurecendo, ainda teve força pra agarrar o garoto pelo braço e balbuciar qualquer coisa, que não se entendeu.

  O menino então respirava ofegante, e quando ele percebeu que tinha acabado e que o feito já tinha se concluído, ele olhou em volta como se não soubesse o que fazer, agora que seu propósito de vida tinha se realizado.

  Então o rapaz despiu o Zeca, trocou de roupa com o defunto, cavou um cova rasa e jogou o corpo morto do antigo bandido dentro, com a faca ainda no lombo, que é pra garantir que o feito não pudesse ser desfeito, apanhou as armas do Zeca, e só então viu o cavalo do bandido que apareceu naquela hora, montou no bicho e seguiu viagem, pra onde não se sabe, mas a verdade é que o nome Zeca Picadinho ainda ficou sendo temido por toda a região.

  Este conto foi feito por Paulo Carvalho.

Anúncios

Primeiras apresentações da Bela e a Fera

31/08/2009

   Bela-banqueteEssa semana foram as primeiras apresentações da “Bela e A Fera” na “Mostra SESI Bonecos e Formas Animadas”, tendo sido também as minhas primeiras apresentações no espetáculo

  Foram quatro apresentações ao todo, apresentamos quinta e sexta em São Bernardo e sábado e domingo em Santo André.

  Tudo tem corrido bem e a reação da platéia tem sido ótima, agora, tenho que lembrar de algumas passagens interessantes:

  Na primeira apresentação, a minha estréia, tudo correu bem, o espetáculo foi muito bom e o público parece ter gostado bastante, aliás, o teatro do SENAI em São Bernardo é lindo, mas aconteceu um fato engraçado, em determinada cena eu devo retirar uma mesa, e no nervosismo de estréia, acabo esquecendo disso, só sei que quando me dei conta eu tive que sair em desabalada carreira para retirar a mesa, por sorte isso aconteceu em uma cena onde entra fumaça e não prejudicou o espetáculo, mas para mim, que estava estreando foi um sufoco, enfim temos que dar histórias para que os outros lembrem e riam da nossa cara.

irmas

  Na segunda apresentação, essa sem nenhum percalço, tivemos uma reação fantástica da platéia, na primeira aparição da Fera, onde ela surge de relance, o público feio a baixo, ouve um grito das crianças de tal energia que eu juro, pode ter abalado as estrutura do teatro.

  Em Santo André tudo foi muito bem, o espetáculo tem ganhado cada dia mais maturidade e o público têm participado muito.

  É realmente um privilégio poder participar de tudo isso, ainda mais com a direção de José Rubens Siqueira, que é um grande mestre.

  Semana que vem nos apresentamos em Mauá, a agenda completa pode ser vista aqui.

  Este artigo foi feito por Paulo Carvalho.

Skoob

31/08/2009

logo_skoob_beta

Uma novidade que descobri esses dias é o Skoob.

  O Skoob é uma rede social virtual, tal como Orkut, Facebook, mas com uma diferença, é uma rede social para se discutir livros.

  Com a  premissa de perguntar ” O que você anda lendo” , ele é organizado de forma que em vez de comunidades, você tem livros, aí você pode dar nota aos livros, fazer resenhas, e por na sua estante.

  Outro recurso interessante é possibilitar a troca de livros entre os usuários. 

 Ele foi criado em janeiro deste ano por um brasileiro chamado Lindenberg Moreira.

  O endereço do Skoob é: www.skoob.com.br

  Fica então a dica pra quem gosta de discutir literatura.

  Este artigo foi feito por Paulo Carvalho.

Show Sambossa

25/08/2009

No próximo domingo dia 30 de agosto a partir das 14 horas

Show do Sambossa no Magnólia Villa Bar

Venha saborear um delicioso buffet de massas a partir das 12:30 ou apenas curtir boa música
brasileira e experimentar o cardapio variado do Magnólia Villa Bar.
(couver: R$ 12 no dia)
couver promocional para reservas antecipadas: R$10):
Consulte-nos: 3463-4994 (24hrs) / 3713-8504):

O casa possui local adequado para fumar de acordo com a legislação.

Rua Marco Aurélio, 884
Vila Romana /Lapa – SP
Tel:11.3463-4994 ou 3863.9296
reservas@magnoliabar.com.br ou contato@magnoliabar.com.br

www.magnoliabar.com.br

Estevão Ribeiro e seus passarinhos

24/08/2009

  Hoje vou falar de outra coisa legal que achei na internet, trata-se do trabalho do escritor e cartunista Estevão Ribeiro.

  Estevão já está na estrada a muitos anos e seu personagem Tristão, um vigilante com passado sombrio, já é cult no meio dos quadrinhos.

  Mas eu quero falar de outros personagens, trata-se de “Os Pássaros”. Hector e Afonso são dois passarinhos que satirizam a sociedade contemporânea, Hector é o sonhador com pretensões artísticas e ego inflado enquanto Afonso é mais sóbrio e sarcástico, sempre tendo uma palavra para derrubar os sonhos de Hector.

passaros 

  A dupla funciona como uma variante dos antigos palhaços “Branco e Augusto”, como foi descrito por Felline em que em geral o Branco é o palhaço arrogante que acha que sabe tudo, enquanto o Augusto é o tipo ingênuo mas que acaba sobressaindo sobre o Branco, como no caso do “Gordo”, Branco e do “Magro”, Augusto, da dupla Stan Laurel e Oliver Hardy.

  Aqui teríamos Afonso como Branco e Hector como Augusto, mas diferente do tradicional é Afonso que sempre se sobressai sobre Hector.

  Esta foi a química inicial porém conforme as tiras vão evoluindo outros personagens se apresentam, mas sempre se mantendo a dualidade “sonhos x sarcasmo”, embora é bom ressaltar a futilidade deste sonhador em particular.

  Os personagens estão ganhando espaço e já estão na revista MAD deste mês.

  Vocês podem conferir os pássaros no blog: http://ospassarinhos.wordpress.com/

  Estevão também esta despontando como autor de livros, seu Romance “Enquanto ele estava morto…” narra a história verídica da busca pelo corpo de seu irmão em um garimpo na Bahia. O livro conta com ilustrações do próprio autor, quem quiser pode baixar o primeiro capítulo do livro aqui.

  E o projeto que encabeça chamado “Pequenos Heróis” já está fazendo bastante barulho.

  Aproveitem também para ver o blog pessoal dele: http://euriomuito.wordpress.com/

  Este artigo foi feito por Paulo Carvalho.

A Bela e A Fera – SESI Bonecos

21/08/2009

fera 

  Agora eu também componho o elenco do espetáculo “A Bela e A Fera”, da Cia. Stromboli, e vamos viajar apresentando o espetáculo pelo estado de São Paulo no projeto SESI Bonecos.

  Todas as apresentações são gratuitas, é só retirar os ingressos com uma hora de antecedência.

  Segue a lista com as datas, horários e locais de apresentação:

Mostra SESI Teatro de Bonecos – A Bela e A Fera – Cia. Stromboli

Data

Dia.

Horário

Local

 
Agosto

27/08

Quinta

15h00

SENAI São Bernardo

28/08

Sexta

15h00

SENAI São Bernardo

 

29/08

Sábado

16h00

SESI Santo André

30/08

Domingo

16h00

SESI Santo André

 

Setembro

05/09

Sábado

16h00

SESI Mauá

06/09

Domingo

16h00

SESI Mauá

 

12/09

Sábado

16h00

SESI Santos

13/09

Domingo

16h00

SESI Santos

 

26/09

Sábado

16h00

SESI Birigui

27/09

Domingo

16h00 e 19h00

SESI Birigui

 

Outubro

03/10

Sábado

16h00

SESI Marília

04/10

Domingo

16h00 e 19h00

SESI Marília

 

10/10

Sábado

19h00

SESI Araraquara

11/10

Domingo

17h00

SESI Araraquara

 

17/10

Sábado

16h00

SESI Franca

18/10

Domingo

16h00

SESI Franca

 

24/10

Sábado

16h00

SESI Rio Claro

25/10

Domingo

16h00

SESI Rio Claro

 

31/10

Sábado

16h00

SESI Piracicaba

01/11

Domingo

16h00

SESI Piracicaba

 

Novembro

03/11

Terça

09h00 e 15h00

SESI Mogi das Cruzes

 

04/11

Quarta

10h00 e 15h00

SESI A. E. Carvalho

 

05/11

Quinta

09h00 e 15h00

SESI Vila das Mercês

 

07/11

Sábado

16h00

SESI Itapetininga

08/11

Domingo

16h00

SESI Itapetininga

 

14/11

Sábado

16h00 e 19h00

SESI Sorocaba

 

 

 

 

21/11

Sábado

16h00

SESI Osasco

22/11

Domingo

16h00

SESI Osasco

     Aproveito para convidar a todos para conhecerem o novo site da Cia: www.stromboli.com.br

  Este artigo foi feito por Paulo Carvalho.

 

Trailer “A Pedra e O Lago”

16/08/2009

  Eu já falei do espetáculo que dirigi ” A Pedra e o Lago” Em outras ocasiões, mas agora para dar uma idéia melhor do trabalho, aí está um clipe com imagens do espetáculo.

  Acho muito estranho trailer pra espetáculo teatral mas enfim.

  Este artigo foi feito por Paulo Carvalho.

Saco de Ratos

12/08/2009

  sacoratosTalvez vocês já conheçam o dramaturgo Mário Bortolotto, mas acontece que além de seus textos teatrais ele é vocalista da banda de blues Saco de Ratos.

  Confesso que não conheço o trabalho de dramaturgia do Mário, de verve beatnick, mas ainda dentro deste universo boêmio a banda toca um blues raiz, com letras urbanas.

  A banda é formada por Mário Bortolotto nos vocais, Fábio Brum e Marcelo Watanabe nas guitarras, Fábio Pagoto no baixo e Rick Vechione na bateria.

  Então fica aí a dica pra quem quer ouvir um som que sai do lugar-comum a que já nos habituamos, você pode ouvir a música dos caras no my spaces: http://www.myspace.com/sacoderatos e também pode conferir ao vivo todas as terça-feiras no Café the Wall na rua 13 de maio nº 152, no Bixiga, lá pela meia-noite.

  Este artigo foi feito por Paulo Carvalho.

Vídeo “Projeto 8”

09/08/2009

  Bom este blog como vocês sabem está vinculado ao “Projeto 8”, que é uma união de artistas que tentam criar espaço para troca e fomento artístico.

  Para quem ainda não conhece o projeto fizemos um pequeno vídeo mostrando um pouco do que já rolou nos eventos, e em breve teremos uma reformulação do site.

  Quem é artista e quiser participar do “Projeto 8” é só mandar um e-mail para contato@projeto8.com que a gente retorna o contato.

  Bom por hoje é só, e um bom dia dos pais pra todos.

  Este artigo foi feito por Paulo Carvalho.

Sambossa

06/08/2009

  Gente a banda Sambossa do nosso querido amigo Fred Schiera, que participa da organização do “Projeto 8”, tem um repertório que além de músicas próprias, explora o melhor da MPB.

  Como vocês podem conferir no vídeo abaixo:  

   Tem outros vídeos na galeria de música no site do “Projeto 8”, e vocês podem conferir também o my spaces do Fred no seguinte endereço: www.myspace.com/fredschiera2008
  O Sambossa toca no Domingo dia 09/08 às 14 horas, traga seu pai para almoçar e ouvir boa música brasileira!

  No Magnolia Villa Bar   A partir das 14 hs – Couvert R$ 12,00

  Rua Marco Aurélio, 884 – Vila Romana /Lapa – SP

  Tel:11.3463-4994 ou 3863.9296

   reservas@magnoliabar.com.br ou contato@magnoliabar.com.br

  www.magnoliabar.com.br

  Este artigo foi feito por Paulo Carvalho.