Pedras na Água

 O menino atirava pedras na água. Seus olhos pequeninos acompanhavam as oscilações circulares que se desenhavam na superfície, perguntava-se se as ondas que criava causavam impacto no fundo invisível do lago.

A mãe chama, o almoço está servido. Pequenas pernas corem em busca de abrigo materno. Comida de mãe tem gosto bom.

Os pezinhos balançam na cadeira, o garfo espeta os pedaços de carne previamente picados – Mãe, o pai chega hoje?

Adalberto. O nome dele pulula na mente daquela mulher, a jovem que aparenta ser velha engole seco, enxuga as mãos no pano de prato, manda o menino não falar de boca cheia.

Mais tarde a roupa suja. Roupas de madame lavadas no lago pra afastar a miséria e o pensamento ruim.

Jurema tá sempre rindo, cantando músicas tristes e rindo, do que ela ri? Melhor deixar isso de lado, o que enche barriga é roupa limpa não curiosidade besta.

A mulher segue em sua lida. As canções da colega lhe apertam o peito, porque? Jurema sempre cantou, a vida sempre foi besta, por que diabos a voz da negra me dói?

Volta o menino, o sorriso inocente da criança denuncia traquinagem, ele para ao lado da mãe e a observa.

Pega uma pedra e a fica jogando entre uma mão e outra, o lago chama a pedra, o seu desejo é voltar a ser construtor de ondas, as lavadeiras ocupam o lago, mãe briga se menino tenta brinca no lago em hora de trabalho.

O magnetismo do lago confronta a força de vontade do pequeno, canto de sereia é forte demais, pedra quer conhecer o mundo submarino.

Água por todo lado, gritaria de lavadeiras, riso de Jurema.

Menino tem de aprender a não aprontar, chinelada como espetáculo público, amargor de vida dirigido a bunda de criança.

A vida pode ser injusta, porque fazer ondas é perigoso? Qual o impacto no fundo do lago?

O serviço segue, por um tempo não se conversa naquele lago, Jurema rompe o silêncio, canto triste pra vida vazia, choro apertado num se agüenta escondido nos olhos.

Ninguém pergunta, todas conhecem, todas sabem a letra daquela canção, compartilham dor, compartilham o lago. Outras lágrimas caem de outros olhos, só Jurema ri.

Mistério de Jurema como rir na canção triste. Termina o trabalho, à noitinha caí. Hora de dar banho no menino.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: